Power to the people.

19 mar

por Manga Paludetto.

Tá bom, eu sou meio viciado em Beatles. Até ganhei uma almofada do “Fab Four” de uma pessoa muito especial. Inclusive, por ela já saber da minha queda sobre a banda, eu sempre ganho outros agrados como camisetas e cds remasterizados (que para mim ficaram ótimos!). Mas… enfim, desde o ano passado que não escrevo nada na Striking Quadra, a vida andou muito louca no início do ano e para começar bem os posts de 2010, só Beatles mesmo.
leia na íntegra.

Na verdade vou falar do Jonh Lennon. E vou falar dele após o fim da banda. Tudo bem, a história é ótima, traz grandes inspirações de como um ícone do rock deve ser. Se você, caro amigo que está lendo esse texto tem banda, não fique babando ovo para as cópias ou pseudo-cópias: beba da fonte! O conselho também serve para quem não tem banda: são muitas as cópias mal feitas no mercado.

No final dos anos 60 John Lennon se tornou um ativista da paz, se apaixonou pela Yoko Ono e juntos foram vistos até como inimigos do poderoso governo Americano. Tudo começou na lua-de-mel do casal. Eles se casaram em Gibraltar, no dia 20 de março de 1969, e foram celebrar com um protesto. Sabendo da publicidade em torno do casamento eles se hospedaram na suite presidencial do Amsterdam Hilton Hotel, quarto 702, chamaram toda a imprensa e fizeram o Bed-In for Peace. Imagina a loucura que foi quando os jornalistas foram avisados que John Lennon queria mostrar sua lua-de-mel para o mundo. Ele tinha acabado de lançar o álbum Two Virgins, com John e Yoko nús na capa, todos esperavam sexo pela frente, mas o que eles viram foi o casal na cama falando sobre paz.

Em plena Guerra do Vietnam os dois acharam melhor falar da paz mais próximo de quem decidia sobre o conflito e no início dos anos 70 John e Yoko resolvem morar em Nova Iorque. Na cidade eles fizeram amizades com alguns ativistas políticos da época, como Bobby Seale, um dos fundadores dos Panteras Negras. Aí começou a paranóia do governo americano. Lennon começou a ser investigado pela CIA que até tentou deportar o rapaz!

Nos dez anos de carreira solo, Lennon levou idéia de um mundo de paz e igualdade de maneira genial que extrapolou o limite da música e algumas vezes da arte. Pena que nem todo mundo entendeu o recado.

Ouça isso!!

Give Peace A Chance, Nobody Told Me, Instant Karma, Imagine, Happy Xmas (War Is Over), The Ballad of John and Yoko

Quem quiser saber mais sobre essa história assista o filme The U.S. vs John Lennon clicando aqui.

Manga Paludetto é jornalista e baterista do Paletó Em Brasília.
Siga no Twitter, @mangapaludetto

Anúncios

2 Respostas to “Power to the people.”

  1. Gigovi 23 de março de 2010 às 16:52 #

    Beatles é uma fonte tão original que não há como curtir as genéricas mesmo…

    Poooooooooooorra, valeu pelos links hein! Post “completable”!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Peace to the people « Hey! - 5 de abril de 2010

    […] (que para mim ficaram ótimos!). Mas… enfim, desde o ano passado que não escrevo nada na Striking Quadra, a vida andou muito louca no início do ano e para começar bem os posts de 2010, só Beatles […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: